junho 25, 2013

Portugueses trabalham, em média, mais 400 horas por ano que os alemães

Para que conste:

«Os portugueses trabalham em média 1700 horas por ano, mais 400 que os alemães. "Trabalham muito mas, infelizmente, produzem pouco com esse trabalho. Geralmente isso significa falta de uma estratégia clara que nos ajude a definir o que vamos fazer e, ainda mais importante, o que não vamos fazer", afirmou Nadim Habib, diretor da Nova Executive Education, na conferência "As empresas e o futuro - Competitividade e Empreendedorismo", organizada esta semana pela revista Exame e pelo Banco Popular» Fonte: Expresso

E, mesmo assim, ainda não é claro para mim que os portugueses "produzem pouco" com o seu trabalho. Os indicadores são o que os analistas assumirem que contêm... e o que "esquecem"...

6 comentários:

  1. E que tal a gente discordar só um bocadinho naquela parte em que se diz que se produz pouco?
    A gente produz é muito pouco valor acrescentado.
    Porque as empresas que são nossas vendem barato aos que - esses sim- vendem com lucro a cosmética final, porque as outras que eram boas a acrescentar valor em pé de igualdade foram alienadas criminosamente em "privativações" OPAS e outras manobras semelhantes, e finalmente "and nos least" porque existe esta coisa terrível de condicionar a opinião público rumo a esse "inevitável destino" da desgraça do Fado ao qual estamos predestinados-

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Onde é que lês que se produz pouco?...

      Eliminar
  2. Trabalham muito mas, infelizmente, produzem pouco com esse trabalho. é o que se lê logo na segunda frase.
    E será que se pode produzir mais valor acrescentado, quando o nosso mercado é precisamente o de fornecer por baixo preço, matéria manufacturada à qual os que nos importam acrescentam em muitos casos apenas uma marca? Se o " mercado" está feito por eles, muitos dos quais são agora os que nos acusam de malandros, e de estar a fazer-nos um grande favor ao agoitar-nos a dívida com mais dívida?
    E será que romper com eles numa estratégia de conquista de mercado não pode abrir guerras comerciais contra os poderosos?
    Poderíamos ganhar uma guerra dessas inseridos no €uro?
    Porque é que oferecemos minério de cobre, apenas levemente tratado, e digo oferecer pois é vendido a muito baixo preço, para depois comprar o cobre ao preço que qualquer dia é igual ao do ouro?
    Porque é que o Cavaco e os seguintes desmantelaram a nossa siderugria que seria o gérmen da indústria pesada e estratégica para toda a outra indústria nacional?
    Como é que vamos ser competitivos se compramos tudo caro aos outros e vendemos baratinho a nossa tristeza?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó rapaz, mas isso é precisamente a citação que eu (também) contesto.

      Eliminar
    2. Estamos na mesma onda, rapariga :)
      Ou seja, concordo com a citação, obviamente, não com o corpo do texto que a encima.
      Estive mal a não pôr a evidência nisso... penitencio-me irmã, com sete padres nossos e umas quantas ave marias....

      Eliminar
    3. Não precisas de ajoelhar...

      Eliminar