fevereiro 03, 2015

O lucro e o bem estar

Li recentemente isto:

"As empresas de hoje devem focar-se nas pessoas e no propósito do seu negócio e não apenas nos produtos e no lucro, segundo a quarta edição do estudo «Millennial Survey» publicado anualmente pela Deloitte. Estas e outras evidências sugerem que as empresas, especialmente as dos mercados desenvolvidos, terão que realizar profundas mudanças para atrair e reter os talentos do futuro."

Espero que se dissemine o que defendo há mais de 30 anos e que escrevi no meu livro «Persuacção - o que não se aprende nos cursos de gestão», publicado pela Sílabo em 2005:

O objectivo último das pessoas e das organizações deve ser o bem estar. O lucro deve ser uma forma de obter esse bem estar, não um fim em si. E não são, de forma alguma, antagónicos. Aliás, da obtenção do lucro depende o bem estar de todos os que dependem de uma organização, investidores obviamente incluídos.

17 comentários:

  1. Reforça o que já afirmava o excelente professor Idalberto Chiavenato (um dos autores nacionais mais conhecidos e respeitados na área de Administração de Empresas e Recursos Humanos) no seu livro Recursos Humanos, o Capital Humano das Organizações, Para Chiavenato, "...estrutura organizacional, tecnologia, recursos financeiros e materiais ajudam muito na lucratividade e sustentabilidade das organizações, porém constituem apenas aspectos físicos e inertes que precisam ser administrados inteligentemente através de pessoas que constituem a inteligência que vivifica e norteia qualquer organização."
    Está mais do que comprovado que as empresas focadas nas pessoas vão além da noção de recursos humanos, concebendo-as como capital humano, um bem valioso a ser desenvolvido. E a retenção de talentos nas organizações perpassa pela oferta de capacitação, a valorização do capital intelectual.


    ResponderEliminar
  2. Foi um dos autores que estudei.
    Essa frase dele realça o que para mim também é de extrema relevância: o mais importante nas organizações são as pessoas. Mas esta minha ideia vai mais longe: as pessoas não são só importantíssimas como agentes da organização mas também como objectivo último da actividade. Por outras palavras, a organização não deve só ser por pessoas mas também para pessoas.

    ResponderEliminar
  3. Sério? Não sabia, embora seja uma excelente fonte de pesquisa.

    ResponderEliminar
  4. Não sabia que uma das tuas fontes de pesquisa, para o teu Livro, foi o excelente Chiavenato. Porém, não me espanta, porque quem é bom...acaba procurando pelos bons.
    Bjs, cara pálida!

    ResponderEliminar
  5. Só agora é que reparei que a São Rosas comentou e que também estudou Chiavenato.
    É mesmo funda, a São Rosas.

    ResponderEliminar
  6. POr vezes me impressiono com ela! Vai tão a fundo que me intriga quão profunda é sua capacidade de se diversificar.
    Menina porreta, essa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou funda mas não sou larga :O)

      Eliminar
    2. Isso já não sei. Talvez o PM possa dizer algo a respeito.

      Eliminar
    3. Respeitos também é especialidade dela.

      Eliminar
    4. É verdade... esqueci-me do detalhe. rsss

      Eliminar
  7. Quando estudei economia havia uma coisa a que se chamava "responsabilidade social das empresas".
    Coisa totalmente abolida pelas teorias e práticas neo-liberais (fascistas, diga-se antes) que têm como único objectivo a maximização do lucro a qualquer custo e que fizeram escola a nível mundial.
    Bem podem os palermóides da escolinha onde os nossos governantes passeiam os bibes argumentar loas, que a única verdade é a de que a toda lógica empresarial focada nos lucros e não na produção de bem-estar conduz à crise generalizada pois o "mercado" é feito de pessoas que dependem dos rendimentos.
    Sem rendimentos não há mercado, tal como um rio que sem água não corre
    Simples!
    Até para mim.....

    ResponderEliminar
  8. Alguma coisita, não tanto como o nosso amigo Paulo Moura obviamente, a quem endereço os protestos da mais elevada consideração e estima, - como soi dizer-se em determinados círculos ,- e distinto ministro dessa nobre arte que consiste em produzir, de forma económica, o milagre da multiplicação dos pães.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Paulo Moura? Não vê um boi disso!...

      Eliminar
  9. Ûm boi?
    vou fazer um post sobre isso

    ResponderEliminar