junho 07, 2012

Há alturas em que Hipócrates é tão parecido com hipócritas...


"Praticarei a minha profissão com consciência e dignidade;
A saúde do meu paciente será minha primeira preocupação; (...)
Manterei por todos os meios ao meu alcance, a honra e as nobres tradições da profissão médica;
Os meus colegas serão minhas irmãs e irmãos; (...)
Manterei o máximo respeito pela vida humana; (...)
Faço estas promessas solenemente, livremente e pela minha honra."




Este é um excerto do famoso Juramento de Hipócrates, o juramento que os novos médicos fazem no início do exercício da sua profissão e que, segundo dizem, é o mote para aquilo que deve ser a verdadeira medicina. Infelizmente, a realidade é outra e por vezes bem preocupante, como pudemos constatar da pior forma no passado fim-de-semana, quando a minha mãe, ao recorrer ao serviço de urgência do Hospital da Covilhã, após ter sido vítima de um acidente grave foi novamente vítima mas, desta vez, de um acto de pura negligência e desrespeito  por parte de um médico.


Os antecedentes contam-se em poucas palavras: uma queda de costas a partir do 1º andar de um barracão deixou a minha mãe num estado muito preocupante, cheia de dores e mal se conseguindo mexer. Felizmente, as lesões não afectaram a sensibilidade dos membros inferiores mas as dores eram de tal forma incapacitantes que de imediato foi transportada ao hospital por quem a socorreu.


Chegada ao hospital e cumpridas as formalidades de entrada no serviço de urgência, queixando-se de fortíssimas dores no ombro e nas costas, foi atendida em primeiro lugar pelo clínico geral que solicitou várias radiografias (crânio, ombro, coluna,...) encaminhando depois o caso para a cirurgia e, depois, para o ortopedista de serviço, o Dr Sequeiros (um nome que terei dificuldade em esquecer) que após um exame objectivo e analisados os raios-x declarou que não havia fractura clavicular. No entanto, para surpresa geral informou que lhe parecia ver uma fractura numa vértebra mas que provavelmente seria uma fractura antiga(!!).


Apesar das recomendações de uma colega de profissão que acompanhava a minha mãe "à civil", no sentido de esclarecer a questão da fractura da vértebra com rigor, dadas as dores que a minha mãe estava a sentir, retorquiu simplesmente "Sim, depois temos de ver isso...", desaparecendo para parte incerta e voltando mais tarde para... assinar a ordem de alta. O seu diagnóstico final: uma sub-luxação clavicular que não carecia de imobilização do braço mas tão somente de tempo para curar em definitvo. Alguns dias apenas, disse ele. Quanto às dores nas costas, elas dever-se-iam apenas ao facto de a minha mãe estar dorida da queda, desvalorizando em completo as queixas da paciente.


Na manhã seguinte, verificámos que a minha mãe sofria de vómitos, um sinal sempre preocupante nestes casos. Não tendo por outro lado verificado o abrandamento da dor, pelo contrário, de imediato a levámos de volta ao hospital onde, desta vez, encontrou um médico que merece de facto esse nome: o Dr. Pon.


Sempre muito preocupado, solicitou de imediato uma TAC craniana e outra à coluna vertebral, solicitando radiografias de diferentes perspectivas ao ombro já que, segundo ele, esse é o procedimento normal para esta zona do corpo e não, como havia acontecido no dia anterior, apenas uma radiografia frontal.


Chegado o resultado das TACs, o veredicto foi pesado: afinal 3 vértebras fracturadas! Quanto aos raio-X, revelavam indícios de uma possível fractura clavicular que mais uma TAC esclareceu em definitivo: a clavícula estava de facto fracturada. Sendo assim, a minha mãe passaria a ter de usar um colete imobilizador enquanto não curasse as fracturas das vértebras (que felizmente não careciam de operação e não ameaçavam a medula)  e passaria a andar "de braço ao peito" até curar a fractura da clavícula.


Por uma questão de precaução e de melhor assistência, determinou que a minha mãe passaria a noite no hospital, avaliando-se no dia seguinte se teria ou não de ali continuar, dependendo das dores que sentisse.


Tivemos pois num só fim-de-semana passado nas urgências do Hospital da Covilhã uma boa amostra daquilo que deve ser um bom médico e um exemplo perfeito daquilo que não é um médico mediano sequer. O exemplo de um médico que se preocupa e que usa os recursos necessários para esclarecer todas as dúvidas, pois a si diz respeito a responsabilidade do diagnóstico, e o exemplo de um médico que determina o diagnóstico quiçá pela fisionomia. Admito até, dada a sua ausência, que à boa moda antiga tenha ido consultar um oráculo que lhe disse que as fortes dores nas costas, de que a minha mãe se queixava, se deviam apenas ao facto de estar dorida. Tivemos o exemplo de um médico que ouve e respeita os seus colegas e dialoga com eles, mesmo que não estejam de serviço, e o exemplo de um médico a quem a sua longevidade tornou surdo.


Arrisco-me até a dizer que tivemos ali o exemplo de um médico que fez o Juramento de Hipócrates e de outro que, se algum juramento fez, terá trocado certamente devido à sua surdez, o substantivo Hipócrates por um adjectivo semelhante na sua fonética, embora muito pouco abonatório.


Não é isto faltar ao respeito do paciente e quebrar os deveres que a profissão de médico impõe? Será isto ético? Não merecia este caso no mínimo um pedido de desculpa por parte deste médico ou até da própria administração do hospital?

7 comentários:

  1. Já passei por todas as experiências no campo da medicina. Desde os "bons médicos",- ou seja, profissionais medíocres mas muito simpáticos e voluntariosos mas pouco mais,- passando pelas cavalgaduras, senhores do seu nariz e importância, sempre de cifrão situado no sítio onde a íris atravessa o espaço envolvente e onde o doente se encontra, até ao médico de facto: um mago, iniciado apenas nos mistérios das fragilidades da vida, e ciente da sua condição tão mortal quanto a do o Ser que está à sua frente.
    Parece ter havido uma negligência de uma das regras principais, fundamentais mesmo em situações tais como sáude, aviação, construção de pontes e barragens: em caso de dúvida, duvida-se ainda mais...
    De certezas absolutas está o cemitério cheio....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas olha que nestes meses mais recentes tenho uma experiência oposta: tantas dúvidas... e um médico a sugerir que vá a um médico de uma dada especialidade... e outro que me diz que vá um médico de uma outra especialidade... e quando pergunto a um terceiro médico o que acha que devo fazer, diz-me para comer fruta e beber muita água...

      Eliminar
  2. e tu que és bem mandada, chegas-lhe bem à fruta :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje, no passeio às Aldeias do Xisto, foi um belo par de melões...

      Eliminar
  3. Bom... Eu que há bem pouco andei dezasseis meses aos tombos no Serviço Nacional de Saúde, onde fui vista por dezenas de "profissionais" que classificaram invariavelmente o meu problema de "muito simples", não obstante o mesmo "problema muito simples" ser impedimento para o meu trabalho e por espaço de tempo me causar problemas vários menos simples, já para não falar do desfecho trágico duma história de dezasseis meses de "tratamentos" onde TODOS erraram, em catadupa de erros cada vez maiores que por muito pouco não culminaram no meu descanso eterno... nem sei o que deva dizer...

    No final da história, acabei com uma hemorragia absurda, entre a vida e a morte, a cabeça a arder, um ferimento grave e absurdo, e em estado de emergência em busca na internet de uma solução que me safasse... E assim foi, em meia hora consegui saber mais de medicina que o último senhor que me atendeu, supostamente "cirurgião", a quem tive que rosnar o que fazer ou o que não fazer (porque o tipo estava decidido a empacotar-me sem saber de todo o que fazia) só porque não me consegui livrar de que me rondasse enquanto me servia dos cuidados especializados de enfermagem de que necessitava... a seguir, para um problema que todos me asseguraram ser necessária apenas uma semana de recuperação... foram, em cima de dezasseis meses muito turbulentos, mais quatro completamente encostada à boxe e o coração nas mãos... não me valesse eu a mim própria!

    Numa próxima, muito antes de pôr os pés num destes postos médicos ou no Hospital de São José, sendo caso disso, irei morrer para a praia...

    ResponderEliminar