julho 29, 2012

«Pai do contra» - Antonino Silva

"Este texto e a sua história fazem-me lembrar o meu pai. Agricultor simples com a 4ª classe que, quando o 25 de Abril aconteceu, não alterou uma vírgula ao seu modo de vida, a não ser criticar o aumento do preço da gasolina normal (que a sua Taunus 17M consumia de goela aberta), do bacalhau e do açúcar. Mas, durante o PREC, ele assumiu uma postura extraordinária. Ele nunca me confessou o seu partido (desconfio hoje que ele era do PPD, pois no dia 4 de dezembro de 1980 fez luto por Sá Carneiro), mas a verdade é que se havia comício na escola primária do CDS ou PPD ou PDC ele aparecia com um autocolante do MDP-CDE na lapela do casaco; se o comício era do PS, do PCP e outros mais à esquerda, era certo que lá estava ele com o emblema do CDS a espreitar. Isso hoje faz-me sorrir e admirar a sua personalidade; no entanto, num domingo de eleições, de 1976, lembro-me também de o ver a fugir de um grupo de mulheres vizinhas, todas do CDS, que o queriam despir, porque ele trazia uma camisola na qual tinha desenhado o emblema do MDP-CDE, num dia em que, era certo e sabido, o PPD teria 80% e os restantes votos seriam do CDS, nenhum para o MDP-CDE. Valeu-lhe o abrigo do padre na sacristia, que estava a terminar a missa e lhe abriu a porta.
Isto pode parecer picaresco, mas a verdade é que sinto inveja desta 'frontalidade' esquisita que ele tinha perante o 'status quo', que tinha coisas dadas como certas e adquiridas."

Antonino Silva

3 comentários:

  1. Tinham lutado por um ideal, Nao lhes tinha aparecido as coisas no prato sem saber como.grande homem,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ce pões este texto é porque o teu pai merece que a divulgues!
      Gostei!
      Um abraço

      Eliminar