julho 08, 2012

Xenu

Perdoe-me o venerável senhor Higgs, mas não me venham cá com tretas com a “partícula de Deus” mais a “explicação científica de tudo”. Aqui para os meus bósons, a medalha de ouro para a descoberta (pessoal) mais inteligente e interessante da semana vai para… Chan! Chan!!... Xenu! Directamente da Wikipédia (sem tirar nem pôr porque às vezes tudo o que seja a mais ou a menos estraga…)

“Xenu (pronúncia em inglês: /ˈziːnuː/) é uma entidade mística da Cientologia. Segundo o fundador da religião, L. Ron Hubbard, Xenu era um ditador intergalático que, há 75 milhões de anos, trouxe bilhões de seres à Terra em aviões similares a um DC-8, alinhou-os perto de vulcões e os exterminou com bombas de hidrogênio. Os cientólogos acreditam que a essência de muitos dos seres exterminados por Xenu continuam a vagar na Terra, causando desequilíbrio mental e opressão aos seres humanos. Embora os Cientólogos neguem publicamente a história de Xenu, como é recomendado pela doutrina, o assunto é ensinado aos membros Operating Thetan, no nível III.

L. Ron Hubbard escreveu que Xenu era o ditador de uma Confederação Galática 75 milhões de anos atrás. A Confederação consistia de 76 estrelas e 26 planetas, incluindo a Terra, então chamada de "Teegeeack". Os planetas sofriam de superpopulação, com um número médio de 178 bilhões de habitantes. O ditador Xenu, sofrendo ameaça de ser deposto, criou um plano para resolver o problema da superpopulação com a ajuda de psiquiatras. Ele ajuntou bilhões de indivíduos, paralisou-os e os congelou numa mistura de etanol com glicol para capturar suas almas. Os capturados foram então transportados para o local de seu extermínio, o planeta Teegeeack (a Terra).

Os indivíduos capturados por Xenu foram transportados por aviões cujo design seria expresso subconscientemente nos atuais Douglas DC-8, exceto que os aviões de Xenu não tinham turbinas. Quando eles chegaram a Teegeeack, os cidadãos paralisados foram descarregados nas bases dos vulcões ao redor do planeta. Com a detonação de bombas de hidrogênio nos vulcões, os indivíduos foram exterminados.

As almas das vítimas, chamadas de thetans, foram arremessadas no ar com a explosão. Elas foram capturadas pela equipe de Xenu e injetadas no mundo em "zonas de vácuo". As centenas de bilhões de thetans foram levadas para uma espécie de cinema, onde assistiram a filmes 3D. Assim, foram implantadas "várias ideias incorretas", ou implante R6, nas memórias dos thetans, como Deus, o Diabo e a Ópera Espacial. Esse método também implantou todas as principais religiões do mundo; L. Ron Hubbard atribuiu especificamente o Catolicismo Romano e a imagem da Crucifixão à influência de Xenu. As duas "estações de implantes" citadas por Hubbard se encontravam no Havaí e nas Ilhas Canárias, segundo Corydon.

Além de implantar novas crenças nos thetans, as imagens eliminaram o seu senso de identidade pessoal. Ao fim das projeções, os thetans se agruparam aos milhares, nos poucos corpos físicos que sobreviveram à explosão. Essa é a origem dos chamados thetans corporais, que ainda afetam negativamente a vida de todos os seres humanos, exceto aqueles que se libertaram pela Cientologia.

Uma facção chamada Oficiais Leais finalmente derrubou o governo de Xenu, e o trancafiou numa armadilha eletrônica nas montanhas, de onde ele não escapou até hoje; sua localização é desconhecida. Teegeeack (a Terra) foi subsequentemente abandonada pela Confederação Galática e permanece sendo um planeta-prisão menor, apesar de que ele sofreu invasões alienígenas das Forças Invasoras desde então.

Em 1988, o custo de aprender esses segredos na Igreja da Cientologia era de US$6,500. Esse preço não inclui os custos dos cursos anteriores, que são pré-requisitos para o aprendizado, que passa de US$100,000” (fim de citação).

Ufa! Até que enfim! Demorou… Estava a ver que me ia desta para melhor sem encontrar uma explicação para isto tudo. Assim, sim. Finalmente! a derradeira explicação! uma ideia a sério (a ideia!) sem franja nem buraco e a custos muito moderados… (Modéstia à parte, sinceramente, há muito que andava desconfiada de que havia dedo de thetans (tetões) na desgraça toda que para aí vai por esse mundo afora... Só podia!!)

41 comentários:

  1. Uau!
    Está explicada a nossa elite (?!) política!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (Depois desta (explicação) tudo o que venha a seguir é mentira!)

      Eliminar
    2. Nem nesta acredito, quanto mais nas que venham a seguir :O)

      Eliminar
    3. Mas olha que está aqui uma coisinha "chuchu"... não falha nadinha... Aqueles "tetões" são levados da breca... e aquela parte (entre outras) da explicação do catolicismo tem muito lógica... tenho a impressão de que o ponto bate mesmo aqui...

      Eliminar
    4. (A mim pelo menos bateu-me com força... até acho que fiquei com um galo... ou dois...)

      Eliminar
    5. Ora bate, bate, cantava a pilinha
      Ora bate, bate, no seu buraquinho
      Ora bate, bate, cantava a pilinha
      Schlof, schlof, no seu buraquinho

      (letra da Tuna Meliches)

      Eliminar
    6. ... muito realista. Com todo o respeito pela Tuna Meliches, prefiro o Xenu... há muito que não me ria com tanta vontade!! e rima com montes de coisas...

      Eliminar
    7. Pois... é hiper-realista :O)

      Eliminar
    8. A gravidez de Maria é uma tremenda mistificação absorvida pelo catolicismo. O nome de Maria é de origem Babilónio e sintetiza em arquétipo o desejo de gravidez. Significa "querida" com um significado lato de "desejo" no sentido de querer sucesso em toda a extensão do fenómeno da sexualidade, entenda-se, entrega, sexo e gravidez, a "querença" misto de vontade, entrega e fé, e por isso mesmo, muito convenientemente mãe de deus.
      Nesse ponto, a da mistificação e consequente construção de todo um edificio de perfil espiralóide metafisico, em nada se diferencia a Cientologia das restantes seitas, dêem estas ou não origem a organizações mais expressivas e filosoficamente estruturadas como o Catolicismo.
      Repare-se como nesta em particular, a Cientologia, se expande tal como no Catolicismo, o imaginário para locais extra-terrenos, neste caso novas formas de céus e infernos e os seus purgatórios, chamem-se lhe planetas ou galáxias, ou espaços para além do entendimento. Como se recupera o conceito de "eleitos" tão caros aos Judeus, mas, consultando os documentos históricos, igualzinho ao que de si mesmos diziam os Gregos, os Fenícios, os Egípcios etc, ou seja, dos descendentes- cada povo por si- de um determinado tronco genético, em resumo: uma sublimação fálica de onde irradiam todo um conjunto de valores comuns a serem perpetuados por via da multiplicação assente no sexo, de onde o Falo-todo-poderoso é o seu icon universal. A outra forma -emanação fálica de resto- é a da imposição de umas culturas a outras por via do conflito, o qual quando bem sucedido e prolongado por mais de uma ou duas gerações, acaba por ter quase sempre a diluição das culturas excepto quando os sentimentos de independência e diferença ficavam ainda bem presentes nos ocupados. Os Antigos sabiam disto e não hesitavam quando se punha como solução o genocídio e a "conquista" da expressão genética adversária pela poupança das mulheres jóvens que eram obrigadas a fornecer os seus corpos para a perpetuação dos génes dos que lhes eram inimigos.
      Todos estes procedimentos estão presentes nesta seita, genocídio, ocupação de corpos etc sem que se expresse expliticamente o fenómeno genético mas que subtilmente emanam do que atrás ficou dito.
      Longe de considerar a Cientologia um disparate, segue antes as linhas arquétipas de todas as antigas religiões repleta de mitos e construções metafísicas , sendo esta a da Cientologia, habilidosamente estruturada no entanto, no sentido do mui terreno e actualíssimo campo dos negócios milionários. A nós cabe-nos destrinçar e apreciar como que lê um eterno romançe estas emanações das nossas profundidades psicológicas sem cair na esparrela de considerar isto mais do que é: um afloramento fascinante da nossa camada mais primitiva dos neurónios, Olimpo dos Deuses.
      Quanto ao resto, como eu poderia dizer no estudo que ando a terminar, somos todos pertencentes a umas tribos do c.... e por isso, viva do dito...erecto.

      Eliminar
    9. ... sendo que infelizmente estas emanações das nossas profundidades psicológicas trazem muitas vezes de forma muito mais evidente à tona o gosto pelo tom verde-dólar de uns e o medo da morte de outros que o gosto de todos pelo dito erecto... o que é uma pena...

      Boa, Charlie!!

      Eliminar
  2. Eu acho piada a estas fantasias em ambiente SciFi. Sobretudo porque requerem ainda mais imaginação e até inteligência do que a justificação para a surpreendente gravidez da Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas olha que a gravidez da Maria também foi inteligente.

      Eliminar
    2. Muito. E a malta ser capaz de levar estas histórias a sério, tão a sério a ponto de alterar as suas vidinhas por via delas, como até a ponto de ser capaz de matar por via delas... é o supra-hiper-sumo da inteligência! Admirável! Quando for grande também quero ser capaz destes saltos de gafanhoto para fora da realidade... mas ainda me falta comer muita sopa e parece que ler Kafka também não ajuda...

      Eliminar
    3. (... e depois há quem se admire que sejamos governados por coelhos e outros animais... e que até a relva nos passe por cima... A mim o que me espantaria seria que acontecesse outra coisa qualquer... uma epidemia de raciocínio... ou assim... Enfim... Menos mal. Com um bocadinho mais de azar e bem que poderíamos ser ainda governados por um tipo de fatiota esquisita daqueles que manda queimar nas praças quem lhe dá na telha por honra da divindade... Lembro-me disso às vezes e dou graças a Deus (irónico?) porque eu seria daquelas que não escapava... Dentro do género, com crise e tudo, foi uma sorte tremenda ter nascido neste nosso tempo!! divirto-me à brava! e vou escapando...:O))

      (... mas que este nosso planeta infestado de Homo sapiens sapiens é um lugar muito perigoso... é...)

      Eliminar
    4. E tu gostas de te pôr a jeito, diz lá que não...

      Eliminar
    5. Nem por isso... Não gosto muito... Não gosto mesmo nada... E se penso nas taras extremas e variadas de que quase todos os meus sete mil milhões de semelhantes sofrem, fico muito atrapalhada... Quaisquer manobras menos prudentes só podem ser o resultado de um grau considerável de inconsciência inerente à minha própria condição de Homo sapiens sapiens a somar a um tanto de fé na melhoria (improvável) deste estado de coisas... Mas há para aí malucos para tudo... Olha... a Google lançou agora uma campanha chamada "Legalize Love" no intuito de melhorar as condições de segurança de homossexuais em países que possuam leis "menos favoráveis". É que parece (é o que se conta) que andam para aí "pessoas" (custa a acreditar) que agridem outras porque não lhes agrada a orientação sexual dessas outras... ou seja, depois de cuidarem da sua vida, sobra-lhes tempo para, à porrada, decidirem da vida sexual dos outros... (Believe it or not...) E o mais engraçado é que, ao que parece, só com esta estirpe de tara anda para aí uma catrefada de Homo sapiens sapiens... E não é só no cascos-de-rolha... aqui, neste nosso terreiro, pelo meio das velinhas à Nossa Senhora de Fátima, também acontece... pouco, muito menos, mas também acontece...

      Eliminar
    6. ... e o cerne e a "razão" destas taras (clubísticas, religiosas, de ganância cega, "sim porque sim", e toda a sorte de atropelos bárbaros às liberdades e direitos fundamentais do próximo) é quase sempre o mesmo... somando e dividindo tudo, (salvo raras excepções), o fenómeno é mesmo sempre o mesmo e afecta a esmagadora maioria dos sete mil milhões de criaturas... Que desgraça!! Era preciso arranjar uma cura para isto!!

      Eliminar
    7. ... o padre também... Tenho pensado muito e o que me ocorre de melhor para este caso é um sistema assim mais ou menos tipo oral, "que meta" bocas e que também "meta" mãos... e outras coisas... não sei... tudo o que seja "meter" nisto parece-me uma mais-valia... até podia meter "thetans"... a minha concepção de hospício é suficientemente vasta para caber cá a malta toda... Que achas tu? quaisquer sugestões também se podem "meter" à vontade...

      Eliminar
    8. Uma religião criada por ti? Promete...

      Eliminar
    9. ... gosto mais de brincar com companhia... queres fazer uma comigo a meias? Nós as duas mais o Charlie com o alicate e aposto que saía daqui uma coisinha como deve ser...

      Eliminar
    10. Com o alicate não brinco! Nem às religiões!

      Eliminar
  3. Desta mirabolante história, digna de servir de guião a qualquer produção Manga (essa coisa horrorosa, a animação limitada e computadorizada) ressalta uma única coisa que me deixa um sabor a redenção: As Thetans, que sejam culpadas vá.... mas são essas as coisas lindas onde me perco totalmente, a São que o diga

    ResponderEliminar
  4. ;)....Yes my dear....
    Tetas 4ever.....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas deixa o alicate em casa!

      Eliminar
    2. (Pois!! Deixa o alicate em casa!! Não vá acontecer como da outra vez...)

      Eliminar
  5. Oh...mas se era um alicatinho tão meiguinho e doce.
    E eu que pensava estares toda excitada por via dos fernicoques de nervoso miudinho que alicatinho provocava ao toque-não-te-vou-fazer-mal-mas basta-fechar-um-tudo-nada das suas, nas tuas... pontinhas....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (... os thetans da Sãozinha são muito sensíveis... :O))

      Eliminar
    2. Libelita, se visses... em plena Praça da República, em Beja... aparece-me este matulão, com um alicate, para me dar um aperto de mamas que tinha prometido no blog...

      Eliminar
    3. ...Sniffffff.....:( A São não gosta do meu alicate...snifff....:((

      Eliminar
    4. Charlie, seu maroto!!! Jasus!! Credo!! Com o alicate?? em riste??!?

      Eliminar
    5. ... vá, pronto... não chora... a Sãozinha gosta do seu alicate... só ficou um bocadinho chiça-porra-deixa-me-dar-de-frosques-que-o-tipo-não-fecha-nem-metade-da-gaveta...

      Eliminar
    6. Só uma gaja entende outra gaja!

      Eliminar
  6. Pronto.... já sequei as lágrimas do desgosto...
    mas aprendi a lição..
    Libelita, prometo que no próximo encontro com a São, em vez de alicate, vou de piça, digo, de pinça....

    ResponderEliminar