maio 17, 2014

O "AJUSTAMENTO" funcionou!!! Cada Português deve agora mais de 21.000€. Um êxito portanto....

" se se perderam empregos, é porque havia empregos a mais,".(SIC Notícias, 16/05/2014)
Nunca gostei da pessoa.
Não é por nada de especial, mas as pessoas que vendem certezas absolutas, deixam-me sempre de pé atrás.
Uma questão de feitio: só sei que nada sei, e quanto mais sei, mais sei que mais há para saber.
Por isso, por gostar de História, da grande e das pequenas, gosto de comparar as pessoas pelo que elas são agora versus o que foram. Muitas vezes -e isso é bom-, as pessoas ficam melhores, aprendem com a vida, aumentam horizontes, e ao ver mais sabem dizer aos outros que os ouvem o alcance da sua visão.
Outros, que passam a vida a dizer que o sol é quadrado, e explicam à saciedade, com a lógica da sua razão e  artes de retórica, a bondade e precisão da sua análise, não aprendem rigorosamente nada.
Curiosamente, quando após uma manhã de nevoeiro o sol desponta com a sua redondez ingénua, ei-los a agitar diante dos olhos dos interlocutores, a caixa quadrada e perfeita dos seus argumentos que colocados diante do astro demonstra como ali não cabe o "Pi", que o corpo luminoso tem tanto de largura como de altura, que os lados são iguais, que o perímetro é L x 4, a sua área é LxL, e que ainda, os diversos triângulos  em que podemos dividir a figura, tem em si a génese da trigonometria, catetos e hipotenusas, senos e cosenos.

É assim este José Gomes Ferreira.
Perante a desgraça deste "ajustamento" , com a falência,  o desemprego, a emigração, o aumento da dívida que em Março de 2014 era de 212.323.491.343€ (21.323€ por cada Português, contra 18.430€ em 2011)*  o figurão saiu-se com a tirada de que " se se perderam empregos, é porque havia empregos a mais, a economia estava acima  das suas possibilidades reais".   O mesmo para os restaurantes e demais empresas. Ou seja, O ajustamento funcionou, e agora é que estamos bem!!!!
Fantástico!!! Devemos agora mais e não temos nada e assim é que a coisa está bem....

Este JGF que esteve sempre alinhado com esta estratégia, um fiasco completo,  agora que se acabou o dinheiro da Troika o qual em vez de servir para criar riqueza para abater dívida, serviu como ferramenta para a chantagem humilhante que levou às falências e ao assalto "privatizador" das nossas melhores empresas, não teve outra tirada senão a de que havia empregos a mais.
Sou no limite a concordar com ele: há de facto empregos a mais, a começar pelo dele.
Não há pachorra....
 * dados do Banco de Portugal

15 comentários:

  1. Mas que cara de pau! Os daí e os de cá fizeram a mesma Escola.
    Fogo pegando na rua e eles dizem "está tudo sobre controle". Uma ova que está!!!
    De fato, nem Madre Tereza de Calcutá para ter tamanha paciência com esses discursos descarados.
    Estou contigo e não abro, Charlie!

    :-(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E apresenta-se como Douto na matéria....

      Eliminar
  2. C'um c...
    E eu até tinha alguma consideração por esta alminha...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E sendo douto, deveria saber por uma questão de honestidade, que em todos os processos há um "input, processamento, e output" e que não é nada honesto pegar em pormenores dos processamentos e apresentá-los como "outputs". Porque no fim dos processos há que fazer, e aí sim, a leitura que é a soma, subtracção, multiplicação e divisão de todos os factores, ou seja o output.
      E como isto, (ainda há bocado ouvi na rádio que Portugal era o pior país da Europa), não deu outro resultado do que a colonização dos Pais por interesses estrangeiros, sendo atirado para os Portugueses todos os encargos da gestão (?). Aumentos do IVA para compensar a perda permanente de receitas pela venda da EDP, aumentos de impostos para compensar a perda de receitas que paradoxalmente se perdem pelo facto de se aumentar impostos ao ponto de deixar de as empresas deixarem de ser competitivas. Perdas de enormes receitas pela alienação de empresas-chave como a CIMPOR, e agora os Correios e vai tudo, tudo, tudo para mãos alheias, e os encargos decorrentes das perdas de receitas futuras, para cima de nós.
      Como todos os números estão piores, e prevê-se que ainda fiquem mais ruins e durante décadas, o JGF à falta de argumentos que já não colam nem com a super cola três, lá deu a pirueta e colou-se ao tecto com a enormidade de haver empregos a mais.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Houve tempos em que me ria com as asneiradas pseudo-intelectuais do dito cujo, mas se me ria para disfarçar a irritação, agora nem para o disfarçe tenho espaço....

      Eliminar
  4. Ele foi vociferando enquanto ainda pensava que este desgoverno ia ser "apeado"... e ele estava a tentar vislumbrar-se no próximo futuro desgoverno, num lugar de conselheiro económico, mas quando os Passos foram no sentido de bater o pé e dizer, "Daqui não saio, daqui ninguém me tira!", então aí o JGF usou o "Plano B": "Deixa cá ver se eles não me lixam por andar a dizer mal, e portanto vou dar uma de político: Contradigo e desdigo tudinho aquilo que disse e nego que disse o que disse, e ainda sou capaz de pôr um processo em cima, a quem se lembrar e me lembrar daquilo que dizem que eu disse e é completamente mentira"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembro-me das campanhas na TV, contras as energias renováveis.
      Quando a luta deveria ser contra os oportunistas que à pala da única forma sustentável de energia para Futuro, se infiltram e parasitam tudo o que cheira a rendimentos.... sem mexer um corno, claro está. A gente é que paga....

      Eliminar
  5. Se não é isso, imita muito bem!

    ResponderEliminar
  6. «Cambalhotas» destas viram-se muitas logo depois do 25 de Abril. E continuam a ver-se, benza-os Deus e o Diabo, que eles têm sempre os cataventos assestados aos «ventos de mudança».

    No fundo, nada é novo: cad um de nós tem um preço... E alguns de nós são mais baratos.

    Ele é fala-barato, especula-barato, opina-barato, certifica-barato, contradiz-barato, etc., etc.. Mas tanta vez a minha avózinha me disse que o barato sai caro! Devia estar a referir-se aos JGF desta vida e eu não percebi bem, à data.

    O que ficará do que passa? Estejamos atentos para nos apercebermos, a médio prazo, onde é que estas recentes cambalhotas levarão este rapaz. Que estes gajos, neste sistema, vão sempre desaguar a qualquer lado...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. À Foz, como o outro, que agora está desaguado na Santa Casa da Misericórdia...

      Eliminar
  7. Ainda ontem à noite na SIC Notícias, repetiu a dose. De entrevistador que é o seu papel, mais parecia ser o entrevistado, condicionando as respostas aos seus interlocutores ao fazer as preguntas pescadinha-de-rabo-na-boca.
    Danado que ficou quando um deles não foi por aí e disse o que tinha a dizer e da forma que pensava---

    ResponderEliminar