maio 01, 2012

É que os sindicatos não fazem desconto em cartão...


Hoje é Dia do Trabalhador e as grandes superfícies decidiram abrir as portas, privando os seus colaboradores de celebrarem esta data tão cheia de valor simbólico.
Os sindicatos, em sintonia com os seus princípios mas não com os fins da população, insurgiram-se contra essa prepotência do patronato.
O patronato reagiu, com promoções de arromba.
E o público aderiu em massa à forma de luta moderna, a compra violenta, instalando o caos nos hipermercados.

Acho que quanto aos valores estamos conversados. E a avaliar pelo cenário nas caixas dos hipermercados serão com toda a certeza valores elevados...

15 comentários:

  1. E pronto, escreves tu e escrevo eu, para parecermos muitos!! :)
    (desculpa a publicação pouco depois da tua posta - e por falar em posta, já conheces os Carapaus de Comida?!- mas quando entrei no modo de edição ela ainda não existia)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é para mim uma honra e um privilégio a simples coincidência de apontarmos na mesma direcção.
      Por isso foi para mim um prazer e contrariedade nenhuma.
      Não conheço, não. De que se trata?

      Eliminar
    2. :))) Ora ainda bem.
      (oh, é uma chafarica que três maduros que gostam de comer e beber resolveram montar, armados em críticos gastronómicos de tascas e outros estabelecimentos. Espreita aqui: www.carapausdecomida.com)

      Eliminar
  2. Vocês os dois escreveram sobre o mesmo tema no mesmo dia...
    "Feeeeeeeeeeeeeeelings... uâu, uâu, uâu... feeeeeeeeeeeeelings..."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. estou todo babado, admito...

      Eliminar
    2. Estou aqui às gargalhadas sozinha, a imaginar-te, Sãozita, a entoar o que escreves. Hihihihi!

      Eliminar
    3. Com a minha voz maviosa de canária :O)

      Eliminar
  3. Como se sabe, o melhor porco é o que se engorda a bolota. Passei há pouco à porta de um estabelecimento desses senhores e constatei in loco como sim, as pessoas são porcos de engorda, quanto mais gordo, mais rendem no abate.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é mesmo essa a imagem que me ocorreu.

      Eliminar
  4. O que é muito aborrecido é que haja quem tenha que viver (a contragosto) de acordo com as determinações desta maioria, obviamente absoluta. Porque de resto, estou totalmente a favor da inteligência, que hoje, como qualquer pessoa pode constatar, esteve toda do lado da Jerónimo Martins, aliás liderada por um homem muito inteligente. O Governo, eleito pela tal maioria absoluta para, supostamente, proteger os seus "direitos", fez uma triste figura, mas outra coisa não seria de esperar de malta feita da mesma massa que os que hoje se puseram nas filas... tipos "espertos" que nem desconfiam da existência de uma coisa chamada "ética"... Quanto ao restante, não vou na conversa dos "coitadinhos" (muito menos destes com centenas de euros a jeito nas carteiras), porque na verdade é muito raro, raríssimo, encontrar alguém com capacidades intelectuais diminuídas (só casos de doença e assim...), pelo que parto do pressuposto que a malta das filas tenha uma cabeça para pensar muito idêntica à minha... com a diferença de ser notoriamente mais "esperta".

    ResponderEliminar
  5. Os japoneses não se comportaram assim nos supermercados quando foram assolados por um tsunami...
    Nunca terei vergonha de ser português, mas existem demasiados portugueses que me envergonham.

    ResponderEliminar
  6. É de ficar de olhos em bico.... :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os japoneses têm uma paciência de... chinês.

      Eliminar
  7. «Nunca terei vergonha de ser português, mas existem demasiados portugueses que me envergonham», É isso, Shark.

    E diria mesmo mais: putas! Que ele há prostitutas para todos os gostos e pelas mais diferentes circunstâncias, o que é muito respeitável. Mas putas mesmo são estes vendidos pelo tal prato de lentilhas que não sabem ou não querem parar um segundo para pensar que há valores maiores que uma moeda de um euro..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste momento, eles perguntam em coro: "Quais?!"

      Eliminar