outubro 16, 2012

O problema não é a falta de coerência no discurso de Gaspar; o nosso problema é essa coerência

Estrebucharam mil opiniões – muitas delas supostamente da própria cor ou muito chegada – por reacção à discurseta do ministro Gaspar quanto à inevitabilidade do aumento da carga fiscal que sua excelência propõe no Orçamento de Estado para 2013, em ordem a «manter o capital de credibilidade e confiança de Portugal no estrangeiro», seja lá isso o que for.

Estrebucharam mal e porcamente, quase sempre. Ah, porque ele devia ter deixado uma margenzita de manobra aqui; porque deveria contemplar uma finta de corpo acolá; ou até porque uma leve condescendência corporativa, aqui ou ali, só lhe ficariam bem…

Néscios, mentecaptos, líricos ou vendidos os que tal propõem.

De facto, o discurso de Gaspar é de uma coerência gritante que assusta. De uma clareza chã que apavora. De uma desfaçatez que aterroriza.

Gaspar sabe bem o que quer e ao que vem. Sabe o como e o porquê. Sabe o quanto e até onde. Gaspar sabe bem o que quer! E quando se pretenda contestá-lo usando a mesma argumentação ou trilhando os mesmos caminhos, quem o fizer estará votado ao fracasso, tão límpida, clara e intransponível é a sua dialética.

Mesmo que não seja a dialética de mais ninguém – para além dos seus amigos mais chegados – é a SUA dialética.

Olhai-o, irmãos, vestido de burel e de baraço ao pescço, que pretende até restituir ao País o quanto o País nele investiu com artes de o moldar ao gosto do seu estereotipado desígnio… mas, ainda assim, desígnio.

Não veio de Santa Comba. Mas poderia muito bem ter vindo. Salvará a Pátria com a mesma inatacável perseverança e determinação com que o Botas a salvou, quase até à nossa extinção.

Porque o Gaspar sabe muito bem o que quer.

Interessa é saber se o que ele quer é coincidente com o que eu quero. Com o que tu queres. Com o que nós queremos. E, isso, o Gaspar nunca curou de saber. Porque ele sabe o que sabe e isso lhe basta.

O Gaspar é pois um presuntivo ditador, que apenas não o é efectivamente, porque a História lhe é adversa. Ainda assim, presume poder interromper a vigência da Democracia em Portugal – como alguém antes dele lhe sugeriu – pelos meses ou anos que muito bem entender.

O Gaspar é o principal agente da rotura do contrato social em Portugal. O Gaspar será o responsável por cada montra quebrada. Por cada empresa falida. Por cada cabeça partida. Por cada alma estilhaçada.

O Gaspar terá contas a prestar à História, disso não me restam dúvidas algumas.

Mas lá que ele é coerente, disso também não tenho dúvidas nenhumas.

Apenas falta apurar quem o sugeriu, quem o impôs, quem o chamou. Apenas falta, afinal, apurar quando e como seremos, outra vez, um povo livre.

11 comentários:

  1. Eu teria preferido se ele não agradecesse a educação que o Estado lhe pagou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fiquei estupefacto: A sua gratidão, fez-me lembrar a de um jovem recém formado que foi à aldeia agradecer ao pai com uma garrafita de cicuta. Assim, se sentir mal, é só tomar uma colherzita ou duas disto.
      Não cura, pensou ele, mas ao menos não sofre mais...

      Eliminar
    2. Eu, neste caso, se fosse ao Estado faria fiado.

      Eliminar
  2. Eu teria preferido que ele enfiasse a educação dele num lugar qualquer onde coubesse a custo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, no sítio de onde saem as suas ideias.

      Eliminar
    2. Ah, de onde saíu o OE-2013!

      Eliminar
    3. Tal e qual como o Raim desenhou, mas ao contrário, a entrar, sem vaselina nem Kapa-qualquer-coisa-que-me-escapa hahahahahah

      Eliminar